Destaque

A Máquina do Faz e Refaz

Disponibilidade: 0 Em estoque

R$170,00 N/D

Autor: Dra. Maria Salete Arenales
Idioma: Português
Detalhe: Jogo para Pré-Adolescentes
Editora: Arenales
Por encomenda – envio 7 a 15 dias úteis

Disponível por encomenda

Quantidade:

É o nosso kit mais recente, também resultado de pesquisa de tese de doutorado. Foi criado devido a alguns adolescentes e pré-adolescentes necessitarem de uma quantidade maior de mediadores, além do verbal, para expressarem seus sentimentos, como: material para expressão
por modelagem, pelo recurso do desenho, colagens de figuras etc.

Neste Kit orienta-se o uso da Caixa Lúdica do Pré-adolescente composto por tesoura sem ponta, massinha, argila, papel sulfite, revistas em desuso, tinta guache, etc.

O título A Máquina do Faz e do Refaz deste Kit (livros e jogo) refere-se a um livro ilustrado que conta a história de uma Máquina que lhe possibilita “voltar atrás” naquilo que você não gostou dos resultados na sua vida e refazer novamente.

Neste Kit, orienta-se o uso da Caixa Lúdica do Adolescente e acompanha livro ilustrativo para explicar o uso do kit e o processo psicoterápico para a faixa etária proposta.

No final da história , após algumas situações de uso da Máquina, “filosofamos” dizendo que nascemos munidos com esta Máquina – que é a nossa capacidade de pensar e refletir sobre alguns sinais que a vida nos envia previamente. Enfim, uma forma lúdica de explicar o objetivo do kit e inclusive da psicoterapia (independente da abordagem) para a faixa etária de 09 a 14 anos.

SAIBA MAIS:

O kit foi elaborado tendo como referencial os 25 anos de experiência no atendimento clínico com adolescentes somado à experiência de pesquisa e doutorado neste tema da Dra. Maria Salete Arenales-Loli , pela Universidade Estadual Paulista (UNESP).
O kit poderá ser utilizado no trabalho individual ou em grupo. Sugere-se um trabalho com grupos não muito superiores a 15 participantes, o ideal é não ultrapassar 20 pré-adolescentes.
No contexto escolar poderá ser utilizado como atividade complementar para o trabalho de professores na área de história, ciências, geografia e português. Aos profissionais da área de psicopedagogia auxilia no diagnóstico da dinâmica familiar, adaptação social e escolar, entre outros aspectos pessoais do aluno uma vez que o recurso facilita a expressão de diferentes conteúdos da vida pessoal do pré-adolescente.

Formas de Utilização do Recurso

Primeiramente orienta-se que cada paciente e/ou aluno elabore a própria caixa1 (Caixa Lúdica do pré-adolescente) com objetivo de torna-la original e pessoal, fonte de importantes informações para o profissional.

Sugere-se na tampa desta caixa, que cada aluno cole figuras que representem a sua pessoa, ou seja, “quem é e como se vê”. Nas laterais da caixa que cole figuras que dizem respeito aos seus desejos, “as coisas que você quer para você”. No fundo da caixa, orienta-se que cole figuras que representam “coisas e atividades que pertencem ao seu passado”.

Com o uso de cola comum e pincel, encontra-se no manual as instruções para impermeabilizar com uma camada brilhante e muito bonita as imagens selecionadas por cada adolescente.

Preencher esta caixa com: tesoura sem ponta, revistas em desuso, papel sulfite, lápis colorido, lápis preto, borracha, tinta guache, massinha, argila, pincel de tamanho médio, cola comum, cola colorida ou com glitter, lantejoula, barbante e outros materiais tipo sucata (opcional).

Esse será o nosso ponto de partida, uma vez que para realizar as atividades propostas de expressão será necessário que a caixa esteja completa.

Acompanha o Kit um livro ilustrado “A Máquina do Faz e Refaz” que relata a história de um garoto do século Y que pede aos pais que lhe compre tal Máquina.

O livro ilustrado descreve o funcionamento da Máquina que nos possibilita, quando não gostamos de algum resultado em nossas vidas, retornar ao passado e então refazer o que foi feito, alterando nossas ações e escolhas.

Ilustra com situações de uso da Máquina e termina “filosofando” o tema com um lúdico adaptado a faixa etária: Ainda não inventaram nada parecido, mas nascemos munidos desta máquina. Trata-se da nossa capacidade de pensar e refletir sobre os sinais que a vida nos envia e a proposta do kit é o de exercitar essa máquina que temos dentro de nós.

Uma caixa tamanho semelhante a 25X20 e 3 cm de altura – caixa de camisa masculina. Caso tenham dificuldade na aquisição desta caixa, uma caixa de sapato poderá substituir, porém nela não caberá as folhas sulfites em branco, os trabalhos feitos e revistas em desuso. Nesse caso haverá necessidade de uma pasta a parte para conter tais materiais

Acompanha também um manual com recortes da tese de doutorado/UNESP que está dividido em duas partes: uma parte para os profissionais da área de educação e outra para os psicólogos. Porém, outros profissionais poderão obter benefícios do material como os terapeutas ocupacionais, assistentes sociais, fonoaudiólogos, entre outros da área de saúde que lidam com pré-adolescentes. Na nossa experiência com o kit Túnel do Tempo, foram surpreendentes as adaptações conforme a necessidade e objetivo de cada proposta profissional, mesmo que tão específica e completamente distinta.

Objetivos do Kit A Máquina do Faz e do Refaz

O kit foi elaborado para ser utilizado em dois contextos diferentes: o escolar e o clínico.

Primeiramente abordaremos a sua função no contexto escolar.

No contexto escolar tem como função trabalhar as questões afetivas e sociais no ambiente escolar
com a faixa etária de 9 a 14 anos (pode adaptar-se a outras idades também).

Objetivos específicos no contexto escolar:

-Exercitar a cidadania contribuindo na prática com a comunidade;

-Informar sobre algumas leis e normas da sociedade, instigando o respeito ás regras e ao
desenvolvimento da tolerância;

-Instigar a curiosidade e o desenvolvimento da perseverança;

– Orientar princípios da educação financeira;

-Exercitar o trabalho em grupo;

-Possibilitar reflexões sobre o uso da internet e dos conteúdos sobre os jogos de videogames;

-Conhecer de forma lúdica adaptada à faixa etária sobre algumas medidas preventivas de saúde;

-Possibilitar a introspecção e o autoconhecimento de potenciais não desenvolvidos, como também a habilidade de ampliar suas próprias fronteiras.

No contexto psicoterápico e clínico, constatou-se que com o uso do Kit Túnel do Tempo (que propõe como recurso de comunicação do adolescente, exclusivamente, o recurso verbal) alguns adolescentes, especialmente os mais jovens, necessitam de uma quantidade maior de materialização e mediadores para expressar seus sentimentos e conteúdos internos com zelo para não se infantilizar o processo.

Dessa forma, organizamos no formato lúdico algumas experiências de mais de duas décadas, como a Caixa Lúdica do Pré-adolescente e outras cartas para sistematizar o material, uma vez que este formato se mostrou eficaz com a faixa etária.

Objetivos no contexto psicoterápico:

-Despertar o interesse e a reflexão de sentimentos e emoções por meio de diferentes recursos de expressão;

-Recriar situações cotidianas que podem ser difíceis de serem expressas nesta faixa etária, para que seja colocadas em pauta nas sessões;

-Favorecer que informações diagnósticas sejam reveladas ao profissional clínico de forma que o pré-adolescente não se sinta diretamente avaliado e/ou investigado na situação de entrevista.

É importante salientar que cada profissional intervirá conforme a sua área de formação. Assim, psicopedagogos, pedagogos e professores trabalharão no modelo psicopedagógico, com os conteúdos expressos pelos adolescentes e psicoterapeutas, realizarão inquéritos, aprofundarão nas informações levantadas e realizarão as intervenções pertinentes conforme a formação de cada um.

É comum que profissionais da área de psicologia entendam que atividades desse gênero, que sugerem a expressão afetiva, sejam somente realizadas por profissionais com formação na área de psicologia.

Certamente, tais profissionais estão mais capacitados para compreender e explorar conteúdos emocionais, afinal a formação em psicologia concede essa leitura. Porém, é sabido o quanto a psicologia infelizmente ainda não está ao alcance e ao acesso de grande parte dos nossos adolescentes e pré-adolescentes.

Temos conhecimento também da importância do expressar conteúdos emocionais como forma de integração na saúde mental, como fazem há séculos os adolescentes com seus diários e, atualmente, de forma mais moderna por meio de blogs e outras redes sociais.

Sobre a possibilidade de profissionais de outras áreas afins intervirem, constatei uma experiência espetacular com uma atividade semelhante que envolvia um professor. Esse profissional me relatou que sempre criava temas de redações com o objetivo de conhecer pessoalmente seus alunos, como: eu, meu pai, minha mãe, eu e minha família, minhas férias etc.
Esse professor, que infelizmente não tenho o contato e nome completo para prestigiá-lo, contou-me numa conversa informal que, desta forma, passava a ter, aos poucos, o conhecimento dos problemas vivenciados por cada aluno e seus familiares.

Ao perceber algo em que ele se sentisse em condições de orientar, pedia ao aluno, discretamente, que permanecesse uns 15 minutos no final da aula. Então, temas como uso de drogas e vinganças que poderiam gerar tragédias eram conversadas entre aluno e professor e o rumo das escolhas que o préadolescente estava dando para sua vida podiam, neste momento, serem repensadas, já que tinham sido compartilhadas na redação.

Contou-me que utilizava poucas palavras, apenas questionava: “Fulano, olha o que você está fazendo, ou vai fazer com a sua vida? Você não merece isso!”. Relatou ainda que com esse recurso – o da redação de conteúdos pessoais – observava que o vínculo (aluno e professor) ficava fortalecido e, com grande frequência, recebia posteriormente convites de aniversário, entre outros eventos festivos e, principalmente, ligações telefônicas de agradecimento, anos após o ocorrido, quanto à atenção e intervenção realizada na vida pessoal.

Após o relato dessa história tive a certeza de que os profissionais da área de educação, que são as pessoas que possuem contato cotidiano e direto com pré-adolescentes, podem se beneficiar de recursos como o kit A Máquina do Faz e Refaz, contribuindo com objetivos diferentes do propósito da clínica de psicoterapia.

É claro que não estamos com isso dizendo que tenham essa responsabilidade, dentre tantas outras já tão fundamentais que os profissionais da educação possuem na vida dos alunos, porém entendo que dessa forma – instigando a vida emocional – teremos um recurso a mais, fortalecedor do vínculo do profissional com os alunos que certamente auxiliará no processo de aprendizagem desses. Todos nós sabemos o quanto o vínculo afetivo é importante nesse processo de aprendizagem. Basta para isso pensarmos nos professores que temos guardados em nossas memórias e em nossos corações.

A oportunidade de organizar a vida afetiva e conhecer a própria história, por meio do trabalho de fotos que propusemos no kit A Máquina do Faz e Refaz, é certamente fundamental para o processo de aprendizagem. Sabemos que uma criança ou pré-adolescente não conseguirá abstrair conteúdos mais complexos se não tiver aprendido sobre a própria história de vida, seja ela repleta de conteúdos bons ou ruins. Assim, entendemos que de forma muito simples, por meio do lúdico para contextualizar a própria história dentro de sua árvore genealógica, podemos contribuir com nossos alunos.

Para finalizar, destacamos ser fundamental que todos os profissionais, anteriormente à aplicação, verifiquem todas as cartas e atividades oferecidas. Caso alguma delas possa oferecer alguma dúvida quanto aos problemas mobilizados, o profissional poderá retirar a carta do kit e prosseguir com as cartas restantes, uma vez que devemos ter noção dos nossos limites pessoais, bem como do funcionamento de cada sala de aula, que será completamente diferente uma da outra.

Terminamos o manual com alguns dados referentes à tese de doutorado e o uso de mediadores clínicos para adolescentes e pré-adolescentes. Tais leituras não são fundamentais para o desenvolvimento do trabalho. São ilustrações com o objetivo de solidificar e sustentar o material.

Tanto na clínica da psicologia, como no contexto escolar, a única regra é “não seguir regras fixas” para o trabalho com o uso do kit da Máquina do Faz e Refaz. Desse modo, será muito mais fácil a interação e o acesso aos conteúdos emocionais tão fundamentais para o desenvolvimento afetivo e cognitivo dos nossos jovens. Sucesso para todos vocês!

Peso 0.515 kg
Dimensões 28 × 5.5 × 21 cm
Carregando...